25 de Junho de 2022
icon facebook

GOIÂNIA

23 de Outubro de 2021, 08h:00 - A | A

VARIEDADES / MUNDO

Homem é condenado a prisão perpétua por matar esposa com picadas de naja

A acusação construiu seu caso com base nos registros de chamadas de Suraj, histórico de internet, a naja morta exumada do jardim dos fundos, um estoque de sedativos encontrado no carro da família e evidências de que ele comprou não uma, mas duas serpente

UOL




Um indiano foi condenado a uma pena rara de prisão perpétua dupla por matar a mulher ao fazer uma cobra venenosa picá-la.

Os jornalistas da BBC Soutik Biswas e Ashraf Padanna reconstituíram os acontecimentos que levaram ao terrível caso de feminicídio.

>>> Clique aqui e receba notícias de Goiás na palma da sua mão

>>> Acesse este link e siga a notícia em tempo real no Instagram

Em abril do ano passado, Suraj Kumar, de 28 anos, pagou 7 mil rúpias (cerca de R$ 508) por uma naja indiana, um dos répteis mais venenosos do mundo. O comércio de cobras é ilegal na Índia, então Suraj efetuou a compra clandestina de um apanhador de serpentes, Suresh Kumar, no estado de Kerala, no sul do país. Ele fez um buraco em um recipiente de plástico para que o ar entrasse, colocou a cobra dentro e levou para casa

Treze dias depois, Suraj colocou o recipiente em uma sacola e foi até a casa dos sogros, a cerca de 44 km de distância, onde sua esposa, Uthra, estava se recuperando de uma misteriosa picada de cobra. Uma víbora-de-russell - serpente cor de terra altamente venenosa responsável por milhares de mortes na Índia todos os anos - havia mordido sua perna enquanto ela estava em casa. Uthra foi submetida a três cirurgias para tratar a perna afetada ao longo de 52 dias internada no hospital.

Na noite de 6 de maio, dizem os investigadores, Suraj ofereceu a Uthra um copo de suco de fruta misturado com sedativos. Ela bebeu e pegou no sono logo depois. Suraj pegou então o recipiente com a naja, virou de cabeça para baixo e deixou a cobra de 152 cm cair em sua esposa adormecida. Mas, em vez de atacá-la, a cobra rastejou para longe. Suraj pegou então a serpente e jogou em Uthra, só que mais uma vez o animal se afastou dela.

Suraj fez uma terceira tentativa: ele segurou o réptil pelo "capuz", que é sua marca registrada, e pressionou sua cabeça perto do braço esquerdo de Uthra. Agitada, a naja a mordeu duas vezes, usando as presas na frente da boca. Em seguida, rastejou para uma prateleira no quarto e ficou lá a noite toda.

Investigação

"As najas não mordem a menos que você as provoque. Suraj teve que pegá-la pelo capuz e forçá-la a morder sua esposa", diz o herpetólogo Mavish Kumar. Na sequência, Suraj lavou o copo de suco, destruiu o galho que usou para manipular a cobra e apagou os registros de chamadas de seu celular, de acordo com os investigadores.

Quando a mãe de Uthra entrou no quarto na manhã seguinte, ela disse à polícia que viu a filha deitada na cama com "a boca aberta e a mão esquerda pendendo para um lado". Ela contou que Suraj também estava no quarto. "Por que você não checou se ela estava acordada?", Manimekhala Vijayan perguntou ao genro. "Eu não queria perturbar o sono dela", Suraj respondeu.

A família levou Uthra às pressas para o hospital, onde os médicos a declararam morta por envenenamento e chamaram a polícia. O relatório da autópsia revelou dois pares de feridas de perfuração, com menos de uma polegada de distância, em seu antebraço esquerdo. Amostras de sangue e vísceras indicaram a presença de veneno de naja e medicamentos sedativos. O veneno da naja pode matar em questão de horas, paralisando os músculos respiratórios.

Com base em uma denúncia dos pais de Uthra, a polícia prendeu Suraj em 24 de maio por relação com a morte incomum de sua esposa. Após 78 dias de investigação, o julgamento começou com acusações que se estendiam por mais de 1 mil páginas. Mais de 90 pessoas, incluindo herpetólogos e médicos, testemunharam.

Comente esta notícia


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Av. T-4, Ed. Buena Vista Office Design - 16° andar - 1613 Goiânia - GO

(62) 3988-7592

reportermt
g5
conexao