26 de Junho de 2022
icon facebook

GOIÂNIA

23 de Outubro de 2021, 08h:00 - A | A

VARIEDADES / RELATO

Decidi viver nômade e rodar o país numa Kombi com a família

Eu e meu marido, Aleandro, estamos casados há 8 anos e sempre tivemos vontade de viver em um motorhome, mas a princípio isso era um plano para o futuro, quando a gente se aposentasse.

UOL




Eu e meu marido, Aleandro, estamos casados há 8 anos e sempre tivemos vontade de viver em um motorhome, mas a princípio isso era um plano para o futuro, quando a gente se aposentasse. Somos bem aventureiros, adoramos acampar e conhecer novos lugares.

No início deste ano, decidimos sentir o gostinho da vida na estrada, durante uma viagem de férias, e compramos uma Kombi para isso.

>>> Clique aqui e receba notícias de Goiás na palma da sua mão

>>> Acesse este link e siga a notícia em tempo real no Instagram

Assim, eu, Ale e nossa filhinha de 3 anos, Lorena, partimos de Santo André, na Grande São Paulo, para o Rio de Janeiro. A experiência foi tão encantadora que nos deixou com vontade de estendê-la e vivenciar a liberdade proporcionada pela estrada por mais algum tempo.

Três meses de planejamento

Com esse desejo e aproveitando a possibilidade do trabalho remoto durante a pandemia, decidimos adotar o estilo de vida nômade e sair rodando pelo país, até o final de 2021. Antes de cair na estrada, no entanto, foram quase três meses de planejamento e preparação. Primeiro, definimos o nosso roteiro, pensando nos lugares que queríamos conhecer e, principalmente, na estrutura mínima de que precisávamos.

Tínhamos uma boa reserva financeira que seria mais do que suficiente para qualquer tipo de emergência e nos organizamos para abraçar essa vida com o máximo de segurança possível. Por exemplo, todos nós temos planos de saúde e a Kombi está no seguro. Além disso, tivemos de organizar tudo direitinho em relação aos nossos empregos.

Meu marido, que vinha planejando empreender e trabalhar como autônomo, ainda estava atuando na área comercial de uma empresa e precisou alinhar a saída dele. Por outro lado, eu, que sou gerente de recursos humanos numa empresa de tecnologia e logística, precisei combinar com a empresa que viveria essa experiência nos meses seguintes.

Para tanto, ter um plano B, C e D de internet era essencial para eu fazer meu trabalho remotamente. Então, pesquisei diversas maneiras de ter uma boa conexão, adquiri um amplificador de sinal de internet, além de chips de três diferentes operadoras de telefonia.

Automóvel equipado

Como a Kombi seria o nosso lar nessa aventura nômade, meu marido começou a adaptá-la. Ele a equipou com toda a estrutura elétrica, incluindo placas solares, toda a parte de móveis e eletrodomésticos, como fogão, geladeira e pia, entre outros. E tudo isso sem nenhuma experiência anterior em elétrica ou marcenaria. Ele foi fazendo tudo como autodidata, assistindo vídeos no YouTube e pedindo ajuda a pessoas próximas para executar a montagem.

A Kombi ficou bem completinha. Uma casa em miniatura. Além desses itens que citei, há também um banheiro simples, uma barraca de teto e um banco-cama que nos possibilita dormir confortavelmente. Até a batizamos carinhosamente de Catarina. É um nome que adoro e gostaria de dar à minha segunda filha.

Temos dois cachorros e só deu para levar um

Com tudo pronto, entregamos a casa em que morávamos de aluguel e partimos rumo à nossa aventura. A parte mais dolorosa foi deixar nossa filha de quatro patas, a Amora, com a minha mãe. Temos dois cachorros e só deu para trazer conosco o pequenininho, Flufi. No início, as pessoas para quem contamos que iríamos viver nômades acharam uma loucura, mas acabaram nos apoiando. Tínhamos um plano bem definido e o mais seguro possível.

Conhecendo lugares lindos, fazendo amizades e tendo boas experiências

Saímos de Santo André em junho e, desde então, já passamos por Rio de Janeiro, Espírito Santo, Bahia, Sergipe, Alagoas. Nesses estados, conhecemos todas as principais praias e, atualmente, estamos em Pernambuco, mais especificamente em São José da Coroa Grande, que fica ao lado de Maragogi (AL). Seguiremos por todo o Nordeste, até o Rio Grande do Norte, pelo menos, e na volta queremos explorar e ficar um bom tempo em Minas Gerais.

Normalmente, passamos uma semana em cada ponto. Para encontrar os campings, utilizamos aplicativos como o MaCamp e o Viva sobre rodas, além de pesquisas no Google. Ser um local seguro, ter uma estrutura mínima, como wi-fi, chuveiro e permitir a entrada de cachorro de pequeno porte é algo que levamos em conta na hora da pesquisa. Mas confesso que a maioria tem pecado na questão da limpeza e organização.

Para viajar, a gente pega a estrada sempre aos sábados bem cedo. Eu e Ale nos revezamos na direção da Catarina. Temos optado por não dirigir à noite e costumamos percorrer trajetos de no máximo 300 km entre os pontos porque, com a Kombi, nossa velocidade é bem reduzida. Como algumas vezes não conseguimos explorar cada cantinho, já pretendemos no futuro refazer esse trajeto, passando pelos locais aos quais não conseguimos ir nesta expedição.

Uma das partes mais incríveis da viagem tem sido encontrar outros nômades como nós e trocar experiências. Conhecemos já diversas pessoas e temos colecionado amizades pelo caminho, desde o jovem casal que viajará por todo o país de bicicleta até outro que tem um motorhome de luxo e viverá sobre rodas até o final de suas vidas. São diferentes motivações e histórias, mas todas inspiradoras.

Comente esta notícia


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Av. T-4, Ed. Buena Vista Office Design - 16° andar - 1613 Goiânia - GO

(62) 3988-7592

reportermt
g5
conexao