15 de Agosto de 2022
icon instagram icon facebook icon twitter icon youtube

GOIÂNIA

29 de Maio de 2022, 12h:15 - A | A

VARIEDADES / "MUITO ABALADA"

Atriz pornô abre o jogo sobre tentativa de estupro: 'Desencadeou uma carência'

Elisa Sanches revela que trauma de infância foi um dos motivos para sua entrada no mercado de filmes adultos: 'Me deixou muito abalada'

JOSUE SANTOS
O DIA



Conhecida como uma das maiores estrelas pornô do Brasil atualmente, Elisa Sanches se prepara para contar segredos de sua trajetória em uma autobiografia. Com a obra, que tem previsão de lançamento para o segundo semestre deste ano, a atriz pretende mostrar um lado mais humanizado, em que fala sobre uma tentativa de estupro que sofreu na infância, além de registrar sua trajetória até o topo, sendo procurada até pela funkeira Jojo Todynho para dar dicas de sexo.
 
O que te motivou a iniciar o projeto de escrever um livro?
 
Eu fiquei pensando muito [nesse livro] na época da pandemia, porque eu queria que as pessoas entendessem um pouco mais do que elas sempre perguntam diariamente. Os fãs têm essa curiosidade e nem sempre eu consigo responder todas as pessoas, porque são muitos fãs do Brasil todo e até fora do país. Então, na época, eu pensei um pouquinho sobre escrever a minha história em um livro para as pessoas entenderem por que eu me tornei garota de programa, por que eu virei atriz... Muitas pessoas gostam de mim por eu ser povão, por eu ser uma pessoa simpática e sempre feliz, e eu queria falar para as pessoas o porquê de, no meio de um trabalho tão diferente, eu ter continuado como a mesma pessoa. Não deixando de ser uma pessoa boa, mesmo que eu ganhasse dinheiro, sendo humilde, tratando as pessoas sempre com carinho, sempre com atenção.
 
E, no livro, você traz alguma história que mesmo quem te acompanha ainda não conheça? Tem alguma coisa que você pode citar?
 
Eu acredito que uma parte bem polêmica, que acontece muito com as meninas que entram para essa vida, tem a ver com pedofilia. A maioria das meninas entra porque não tem aquela família tão unida, não tem o carinho dos pais... Não é pela questão financeira somente. Um dos motivos que me levou para essa vida, primeiramente, foi com 13 anos, [quando] o meu ex-padrasto tentava abusar sexualmente de mim. Ele não conseguiu tirar minha virgindade, mas ele tentou abusar sexualmente de mim, e eu consegui sair sem que ele fizesse a violência corporal.
 
Como foi lidar com esse tipo de violência sendo tão nova?
 
Eu me senti muito triste, porque eu pensava que podia ter uma pessoa em que pudesse confiar, mesmo que não fosse meu pai biológico. Infelizmente, isso fez com que eu não tivesse força para qualquer coisa que eu passasse na vida, pelo contrário, me deixou muito abalada. Isso desencadeou uma carência de uma figura paterna. Minha mãe se separou do meu pai, então, eu já não tinha a figura presente; às vezes, em relacionamentos, eu procurava alguém que me desse aquele carinho que eu não tive do meu pai, nem do meu padrasto.
 
Por que você decidiu se tornar garota de programa?
 
O que fez eu entrar 'pra vida' de vez foi quando eu estava me relacionando com o pai da minha filha, meu ex-marido. Ele não era uma pessoa fiel, uma pessoa que me desse tudo que eu precisasse. Quando eu me separei dele, eu falei: 'Olha, você não me valoriza como mulher, você não me dá a segurança que eu preciso e você sempre está olhando para um monte de mulheres; também está me traindo e, um dia, vou me tornar como essas mulheres que você olha e eu vou me tornar até pior do que essas mulheres'. Cansei de me sentir aquela mulher 'certinha', eu queria ser igual às mulheres que ele olhava. Então, juntou a traição e a falta de segurança, com a magoazinha que eu tive do meu padastro para eu falar: 'Vou entrar pra vida'.
 
Você está solteira atualmente?
 
Estou completamente solteira, e eu o que eu tenho eu dou para minha filha. As coisas que eu gosto de fazer e viver são mais com amigas, do que um relacionamento. Porque, mesmo trabalhando com programa, eu exijo fidelidade. Para eu ter um relacionamento aberto, em que o rapaz sai com outras meninas, tem que ser uma coisa conversada, já que eu também gosto de mulher. Mas, às vezes, as pessoas preferem fazer escondido e acaba que eu não consigo, de repente, ter o prazer de fazer um menáge [sexo a três], que eu acho legal também.
 
Mas você ainda vive de programas?
 
Hoje em dia, eu não preciso mais de fazer programas porque eu trabalho mais com plataformas digitais. Eu consigo fazer com que o cara fique seguro, porque eu não preciso mais do sexo para conseguir manter o meu dinheiro. É opcional, posso transar porque eu quero um extra, mas não é uma necessidade. Então, eu prefiro não manter o relacionamento, já que é quase impossível encontrar um cara bom, sexualmente falando, e fiel, é raro.
 
Por outro lado, você parece ser bem apegada a sua filha. Como é a relação entre vocês duas?
 
A minha filha é muito inteligente, e tudo o que eu sou ela é um pouquinho mais, ela tem as mesmas qualidades que eu. Como o pai dela não dá nada, ela reconhece que foi através do meu dinheiro, do meu trabalho, que eu coloquei ela na melhor escola, no melhor curso de inglês, em tudo que ela pudesse ter. Eu procurei acompanhar todas as mudanças de vida dela, desde quando ela 'se tornou mocinha', até ela ter o primeiro namoradinho e etc. Como mãe, eu procuro dar amor, carinho, atenção e estar ali presente em tudo, torcendo para que ela consiga ser uma mulher de verdade.
 
E você já tem uma previsão de quando essas e outras histórias chegarão ao público em sua biografia?
 
Provavelmente, até agosto. Eu faço aniversário no dia 21 de agosto, acho que vai ser um bom presente para mim. Acredito até que seja a comemoração do meu aniversário, do livro e de uma história de muita luta e sofrimento, mas que eu venci, eu não me entreguei. Já tentei suicídio, já tomei chumbinho, já fiz lavagens no hospital... Teve uma noite em que eu fraquejei muito, eu falei: 'Não vale a pena viver, eu não tenho um bom marido, não tive uma família boa...' Então, houve momentos em que eu fiquei muito entristecida e achava que eu não fosse forte. Acho que, depois de passar por tantas coisas, eu pensei: 'caramba, eu consegui sobreviver no mundo'.
 
Você se sente uma mulher feliz hoje em dia?
 
O que me compensa não é o lado financeiro e não é só a filha maravilhosa que eu tenho. O que me compensa de verdade é o que eu tenho dentro de mim: os meus valores reais. Por isso que eu penso que a vida vale a pena: porque eu não me corrompi. O que me deixa mais feliz mesmo é que eu permaneci, continuo com a mesma personalidade desde quando eu era bem novinha. E a minha maior força é o que eu tenho dentro de mim.

Comente esta notícia


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Av. T-4, Ed. Buena Vista Office Design - 16° andar - 1613 Goiânia - GO

(62) 3988-7592

reportermt
g5
conexao