15 de Agosto de 2022
icon instagram icon facebook icon twitter icon youtube

GOIÂNIA

30 de Maio de 2022, 09h:10 - A | A

POLÍCIA / EXECUÇÃO NA MADRUGADA

Tiroteio em distribuidora mata rapaz e deixa jovem em estado grave com tiro na cabeça

Ocorrência foi registrada na Avenida Brasil, Bairro Jardim Primavera, em Niquelândia, onde Cleverson da Silva foi encontrado morto e Marisa da Silva Souza gravemente ferida

MÁRIO ANDREAZZA
REDAÇÃO G5



Tiroteio em frente distribuidora de bebidas na Avenida Brasil, Bairro Jardim Primavera, em Niquelândia (306 km da Capital), supostamente causado por rixa, terminou com a jovem Marisa da Silva Souza Tomaz, 22 anos, baleada na cabeça, e Cleverson da Silva Santos, 22 anos, conhecido como “Crevim”, envolvido na troca de tiros, morto na calçada do estabelecimento na madrugada desse sábado (29).

Corpo de Bombeiros atendeu à ocorrência, atestou a morte de Crevinho e prestou os primeiros socorros à Marisa e encaminhou ao Hospital Municipal, onde recebeu os primeiros atendimentos médicos, mas devido à gravidade do estado de saúde, a paciente foi transferida para o Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO), onde segue internada.

>>> Clique aqui e receba notícias de Goiás na palma da sua mão

>>> Acesse este link e siga a notícia em tempo real no Instagram

A Polícia Militar (PM) isolou o perímetro da distribuidora e comunicou o fato à Delegacia de Polícia Civil e Polícia Técnico-Científica (PTC), responsáveis pelos procedimentos no andamento da ocorrência.

A PM recebeu denúncia de disparos de arma de fogo na distribuidora.

Equipe se deslocou à região, encontrou Marisa coberta de sangue no chão e Crevinho morto na calçada da rua lateral à Avenida Brasil, fundos de um posto de combustíveis.

De acordo com as primeiras informações, os atiradores, que já foram identificados, teriam tido uma briga com Crevinho e ficado uma rixa entre eles e, na madrugada de sábado (29), quando passaram nim Gol prata atirando, apenas ele, (Crevinho), que também estaria armado com um revólver calibre .32, seria o alvo dos bandidos.

Porém, quando tentou escapar dos tiros e se misturou com outros clientes que estavam na calçada da distribuidora, um dos disparos acertou a cabeça de Marisa.

Na sequência, Crevinho correu para rua lateral, foi perseguido, baleado e morreu na calçada.

Leia mais

Motociclista é cercado e morto com tiro na cabeça em avenida

Mulher leva tiro na cabeça e morre em calçada de distribuidora de bebidas

Trabalhadores encontram corpo “degolado” com mãos e pés amarrados jogado em mata

Segundo o delegado-titular do Grupo de Investigação de Homicídios (GIH), Cássio Arantes do Nascimento, ainda não há certeza se o fato se trata de troca de tiros ou se os criminosos passaram atirando. Mas, como evidências mostram que Crevinho estava armado, a polícia quer saber se ele atirou primeiro para tentar intimidar os rivais.

Outra questão apurada é se os atiradores chegaram no local armados ou se após os supostos tiros de Crevinho foram buscar armas e voltaram atirando.

“Crevinho já era bastante conhecido entre a gente [da Polícia Civil], por ter sido preso anteriormente pelo Genarc, por tráfico, há alguns anos. Ele já tinha pelo menos três envolvimentos anteriores com delitos relacionados com drogas, mas ainda não temos certeza se o crime ocorreu por disputas [de pontos de venda de drogas] por facções criminosas. Mas, possivelmente, a morte dele esteja relacionada com o comércio de entorpecentes”, detalhou o delegado.

Cássio Arantes disse que, até o momento, a PC já ouviu duas testemunhas que estavam na distribuidora no sentido de entender com mais clareza a dinâmica do crime que vitimou o rapaz e que deixou a frequentadora do local entre a vida e a morte.

Porém, o delegado detalhou que o celular e a arma que Clevinho portavam foram furtados do local do homicídio, no sentido de dificultar a sequência das investigações, que seguem em andamento.

Comente esta notícia


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Av. T-4, Ed. Buena Vista Office Design - 16° andar - 1613 Goiânia - GO

(62) 3988-7592

reportermt
g5
conexao