27 de Junho de 2022
icon facebook

GOIÂNIA

23 de Junho de 2022, 07h:30 - A | A

POLÍCIA / ACIDENTE FATAL

Polícia conclui inquérito de pai que matou filho e deu tiro no próprio rosto




A Polícia Civil do Estado de Goiás, por meio do Grupo de Investigação de Homicídios (GIH) de Formosa, concluiu, no dia 22 de junho, inquérito que apurou a morte de Eliseu Eugênio Kraemer, de 11 anos de idade, ocorrido em 27 de maio último, naquele município.

Conforme as investigações, conduzidas pelo delegado Danilo Meneses, o menino estava em casa quando sofreu um disparo de arma de fogo tipo espingarda calibre 12 no peito. Eliseu não resistiu aos ferimentos e faleceu em função de traumatismo cardíaco.

>>> Clique aqui e receba notícias de Goiás na palma da sua mão

>>> Acesse este link e siga a notícia em tempo real no Instagram

Segundo apontado pelas investigações, o pai da vítima estaria vendendo um revólver calibre .22 e estava mostrando a arma para uma pessoa interessada no objeto. Em determinado momento, o pai da vítima optou por pegar outra arma, a espingarda calibre 12, que, na ocasião, estava carregada e destravada. Nesse momento, a arma disparou acidentalmente e atingiu a criança, que estava a cerca de 1 metro de distância do pai.

A munição utilizada foi tipo balote de grande energia, causando um ferimento de grande monta na vítima. A criança foi atingida no tórax e caiu no local, já sem vida. Posteriormente, o investigado pegou o filho no colo e ficou desesperado, indo ao encontro da mãe do menino, que tomava banho no momento do episódio.

Conforme relato de testemunha ocular, ciente do episódio, o pai da vítima optou por ceifar a própria vida, e deu um tiro no rosto. Ao ser socorrido, o pai da vítima chegou a fazer uma carta – já dentro da viatura do SAMU – dizendo que o fato foi um acidente e pedia desculpas pelo ocorrido. Apesar do extenso dano estético e do prejuízo para a fala, ele sobreviveu.

As investigações apontaram que o disparo não foi intencional, mas que o pai desobedeceu várias normas de cuidado, razão pela qual será responsabilizado por homicídio culposo.

Danilo Meneses esclarece que muitos boatos foram divulgados na época do acidente. “Como forma de combater falsas notícias, a Polícia Civil informa que o pai da vítima trabalhava com manutenção de pivôs, não era armeiro, era atirador esportivo (CAC) e todas as suas armas estavam devidamente legalizadas”, pontua.

 

Comente esta notícia


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Av. T-4, Ed. Buena Vista Office Design - 16° andar - 1613 Goiânia - GO

(62) 3988-7592

reportermt
g5
conexao