19 de Agosto de 2022
icon instagram icon facebook icon twitter icon youtube

28 de Julho de 2022, 10h:39 - A | A

POLÍCIA / FRAUDE DE R$ 230 MILHÕES

PF cumpre três ordens judiciais em Goiânia e fecha cerco contra “empresários do crime”

Além da Capital goiana, os agentes também realizaram buscas contra criminosos em Campinas, São Paulo, e Santo André e Itapira.

REDAÇÃO G5



A Polícia Federal cumpriu, nesta quinta-feira (28), três mandados de busca e apreensão em Goiânia, expedidos pela 9ª Vara Federal de Campinas, em São Paulo, contra envolvidos em crimes contra o Sistema Financeiro Nacional consistentes em operações de câmbio ilegais e evasão de divisas.

As prisões fazem parte da segunda fase da Operação Dollaro Bucato e teve como alvo oito pessoas e quatro empresas. Além da Capital goiana, as ordens judiciais foram cumpridas em Campinas (1), São Paulo (6) e Santo André (1), Itapira (1). Os nomes dos alvos não foram informados.

>>> Clique aqui e receba notícias de Goiás na palma da sua mão

>>> Acesse este link e siga a notícia em tempo real no Instagram

Conforme a PF, as investigações apontaram, por meio das análises de documentos e dispositivos eletrônicos, milhares de operações financeiras, efetuadas por pessoas físicas e jurídicas, direcionadas a remessas não autorizadas de capitais para o exterior, em especial para o continente asiático.

As operações envolviam movimentação de moeda no estrangeiro por meio do processo conhecido como dólar-cabo, além de câmbio de moeda em território nacional, uso de empresas de fachada, operações de importações fictícias e direcionamento de capital para empresa que comercializa criptoativos.

Foram detectadas movimentações atípicas em diversas regiões do país, sendo que o montante transacionado pelas pessoas físicas e jurídicas superou R$ 1 bilhão em período de dois anos.

Destes, ao menos R$ 230 milhões passaram por contas de pessoas jurídicas com fortes indícios de serem “de fachada”, sem atividade operacional e com capital social incompatível com os valores movimentados.

Estima-se que o esquema tenha movimentado e remetido para o exterior valores provenientes de outras práticas criminosas, tais como pirâmides financeiras, descaminho, contrabando e tráfico de drogas.

O nome da operação faz alusão à atividade ilegal de câmbio e evasão de divisas, significando em italiano dólar de lavanderia.

As penas previstas para os crimes investigados (operação de câmbio ilegal e evasão de divisas) somadas podem chegar a 10 anos de prisão.

Comente esta notícia


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Av. T-4, Ed. Buena Vista Office Design - 16° andar - 1613 Goiânia - GO

(62) 3988-7592

reportermt
g5
conexao