27 de Junho de 2022
icon facebook

GOIÂNIA

06 de Agosto de 2021, 08h:02 - A | A

POLÍCIA / 27 ANOS DE CADEIA

Mulher que esmagou cabeça de adolescente com barra de meio-fio é condenada

O corpo da adolescente foi encontrado nu, cerca de 10 dias após o crime

DA REDAÇÃO




Atuação do Ministério Público de Goiás (MPGO) nas áreas criminal e da infância e juventude conseguiu a condenação de acusada de homicídio e imposição de medidas socioeducativas a adolescentes envolvidas em crime de grande repercussão em Águas Lindas de Goiás. Maiza da Silva Almeida foi condenada a 27 anos, 4 meses e 13 dias de reclusão e dez dias multa e as duas adolescentes ficarão em sistema de internação por prazo indeterminado.

O assassinato de Ana Clara Santana da Silva, que tinha 13 anos, ocorreu no dia 6 de março de 2019, no Bairro Cidade do Entorno, em Águas Lindas de Goiás. A garota foi morta com o arremesso de um pedaço de meio-fio contra a cabeça e levou golpes de garrafa de vidro quebrada contra o pescoço, além de ter a cabeça pisoteada.

>>> Clique aqui e receba notícias de Goiás na palma da sua mão

>>> Acesse este link e siga a notícia em tempo real no Instagram

A sessão do Tribunal do Júri que resultou na condenação de Maiza da Silva Almeida foi realizada no dia 14 de julho. A medida socioeducativa contra as duas adolescentes foi definida pela Justiça no dia 15 de julho.

Corpo de jurados reconheceu materialidade e autoria

No Tribunal do Júri, o promotor de Justiça Daniel Lima Pessoa requereu a condenação de Maiza da Silva Almeida nos limites da pronúncia – homicídio com as qualificadoras (condições que agravam o crime) de motivo torpe e emprego de recurso que dificulte ou torne impossível a defesa da vítima –, ocultação de cadáver e corrupção de menores. A defesa pediu o afastamento da qualificadora de motivo torpe e a absolvição pelos crimes de corrupção de menores e ocultação de cadáver.

Os jurados reconheceram que a acusada praticou o crime e admitiram também as qualificadoras indicadas pelo MP. Ao proferir a sentença, o juiz Felipe Levi Jales Soares, da 1ª Vara Criminal de Crimes Dolosos contra a Vida e Execução Penal, afirmou que a forma como o crime ocorreu revelou “uma perversidade fora do comum” por parte de Maiza da Silva Almeida.

Medidas socioeducativas são aplicadas na Vara da Infância e Juventude

No dia seguinte ao júri, em atuação na Vara da Infância e Juventude, o juiz Felipe Levi Jales Soares determinou aplicação de medidas socioeducativas de internação, por prazo indeterminado, para as duas adolescentes envolvidas, por condutas análogas ao homicídio e ocultação de cadáver, consideradas atos infracionais, nos termos do artigo 103 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). (Texto: João Carlos de Faria/Assessoria de Comunicação Social do MPGO)

Comente esta notícia


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Av. T-4, Ed. Buena Vista Office Design - 16° andar - 1613 Goiânia - GO

(62) 3988-7592

reportermt
g5
conexao