07 de Agosto de 2022
icon instagram icon facebook icon twitter icon youtube

GOIÂNIA

03 de Junho de 2022, 18h:36 - A | A

POLÍCIA / DENÚNCIA DO MP

Justiça determina prisão do coronel da PM que executou engenheiro com tiro à queima-roupa

Denúncia do Ministério Público aponta que reserva Clóvis de Sousa e Silva assassinou o engenheiro Erceli Miguel Pinto por descontentamento na construção da casa do filho

MÁRIO ANDREAZZA
REDAÇÃO G5



Ao receber denúncia oferecida pelo Ministério Público de Goiás (MPGO), a 1ª Vara Criminal de Aparecida de Goiânia decretou a prisão preventiva do policial militar da reserva Clóvis de Sousa e Silva. Ele foi denunciado pelo promotor de Justiça Milton Marcolino dos Santos Júnior pelo homicídio do engenheiro Erceli Miguel Pinto, durante “discussão” no dia 16 de abril.

Segundo apontado na denúncia, Erceli prestou serviços para Clóvis, a construção da casa de seu filho. No entanto, o militar ficou insatisfeito com o resultado, passando a ameaçar e perseguir o engenheiro, planejando matá-lo.

>>> Clique aqui e receba notícias de Goiás na palma da sua mão

>>> Acesse este link e siga a notícia em tempo real no Instagram

Assim, sabendo da rotina do engenheiro, foi à casa da vítima e permaneceu próximo, até encontrar o profissional, abordar e atirar durante uma breve discussão.

Narra o promotor que o denunciado, inesperadamente, sacou sua arma de fogo e disparou, a curta distância, no pescoço de Erceli, que não conseguiu esboçar qualquer reação e morreu no local. Em seguida, conforme mostram imagens de câmeras de segurança da região, o militar aposentado saiu tranquilamente do local, deixando a vítima caída na rua.

Ele foi denunciado por homicídio duplamente qualificado, em razão de motivo fútil e por utilizar recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

Leia mais

Coronel da PM confessa ter executado empresário e deixa delegacia pela porta de frente

Empresário discute com homem e é executado na porta de escritório

Entenda o caso

Erceli foi executado a tiros por volta das 11h durante discussão com o coronel aposentado da PM Clóvis de Sousa e Silva na porta do escritório, no cruzamento das Avenidas Piracanjuba com a Rudá, na Vila Brasília, em Aparecida de Goiânia, (região metropolitana da Capital).

Clovis se apresentou à Delegacia de Polícia Civil, ainda na noite do crime acompanhado de sua advogada, quando prestou depoimento, confessou o crime, mas foi liberado, já que os investigadores consideraram que o tempo para realizar a prisão em flagrante já havia passado.

Em depoimento, o coronel relatou ter desavença com o engenheiro, que os dois discutiram em frente ao escritório de Erceli e que durante a “briga” atirou. A bala atravessou o pescoço da vítima, que morreu na hora.

O atirador disse ainda que decidiu se apresentar na polícia após descobrir que o desafeto havia morrido.

No entanto, no primeiro momento, não foi divulgado o motivo da desavença entre o coronel e o engenheiro. O delegado Eduardo Rodovalho, responsável pelo caso, informou, à época, que não falaria até que a investigação avançasse, para que não prejudicar o levantamento dos elementos informativos necessários ao esclarecimento dos fatos.

A morte de Erceli Miguel foi investigada pelo Grupo de Investigação de Homicídios (GIH) da Polícia Civil de Goiás em Aparecida. Eduardo Rodovalho foi até o local do crime, que passou por perícia da Polícia Científica. Imagens das câmeras de monitoramento da região, que registraram o homicídio, foram analisadas para que a polícia entendesse a dinâmica do crime.

Comente esta notícia


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Av. T-4, Ed. Buena Vista Office Design - 16° andar - 1613 Goiânia - GO

(62) 3988-7592

reportermt
g5
conexao