25 de Junho de 2022
icon facebook

GOIÂNIA

21 de Setembro de 2021, 09h:13 - A | A

POLÍCIA / VEJA VÍDEO

Cantor sertanejo diz que foi acusado de furto e torturado por tenente da PM

Cantor comprou caminhão para transportar combustíveis durante a pandemia e foi acusado de furtar 2 mil litros

FELIPE LEONEL
DA REDAÇÃO




O cantor sertanejo Warley Carvalho, morador de Senador Canedo, denunciou um tenente da Polícia Militar de tortura após ele ser acusado de furtar combustível de uma distribuidora no município.

O furto teria ocorrido após Warley comprar um caminhão para fazer transporte, já que o setor do entretenimento foi prejudicado durante a pandemia e ele precisava buscar uma renda extra.

>>> Clique aqui e receba notícias de Goiás na palma da sua mão

>>> Acesse este link e siga a notícia em tempo real no Instagram

O cantor disse que as agressões contra ele e a esposa, Deborah Coelho, foram cometidas nos dias 3 e 4 de setembro, mas resolveu fazer a denúncia publicamente só agora como uma forma de se proteger.

A tortura teria sido cometida pelo tenente e por mais quatro policiais.

Tá eu aqui mais a Débora dando depoimento, que a gente foi espancado, torturado, que veio com 5 policias, me torturou, fizeram essa covardia, olha aqui", disse Warley, apontando para um hematoma no olho. (Assista abaixo)

'

 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 

Uma publicação compartilhada por G5 News (@g5news)

O tenente seria esposo da dona da transportadora de combustíveis, a Transportadora Mundial, onde o suposto furto teria acontecido. O ‘desvio’ do combustível foi descoberto após um cliente reclamar, via e-mail, que havia chegado para ele 2 mil litros a menos.

Warley relata que foi chamado na empresa e quando chegou ao local, foi algemado, agredido com socos e chutes, além de ter passado por uma sessão de afogamento, com auxílio de uma toalha molhada. Para cessar a tortura, ele acabou ‘confessando’ o crime.

Após a sessão de tortura, ele pediu para a esposa ir à empresa para provar sua inocência. Porém, quando ela chegou ao local, foi surpreendida pelo militar que estava à paisana e acabou sendo agredida.

À Polícia Civil, o cantor denunciou as agressões e afirmou ser inocente, tendo ‘confessado’ o crime apenas para encerrar a sessão de tortura. A Polícia Civil investiga o caso. (Com informações do Metrópoles)

Comente esta notícia


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Av. T-4, Ed. Buena Vista Office Design - 16° andar - 1613 Goiânia - GO

(62) 3988-7592

reportermt
g5
conexao