27 de Junho de 2022
icon facebook

GOIÂNIA

18 de Outubro de 2021, 11h:47 - A | A

PODERES / SEGURANÇA PÚBLICA

Governo veta PL que fornece ajuda de custo a servidores da Segurança

O auxílio seria atribuído ao servidor do órgão gestor do Sistema de Execução Penal, ao militar, civil e ao servidor integrante das carreiras

WELLYNGTON SOUZA
DA REDAÇÃO




O governador do Estado Ronaldo Caiado (DEM) vetou a lei nº 7881/21, de autoria do ex-deputado Diego Sorgatto (DEM), que propõe ajuda de custo aos servidores da Secretaria de Estado da Segurança Pública. A Procuradoria-Geral do Estado (PGE) alegou vício de inconstitucionalidade.

O auxílio seria atribuído ao servidor do órgão gestor do Sistema de Execução Penal, ao militar, civil e ao servidor integrante das carreiras especificadas na Lei nº 15.694, de 06 de Junho de 2006, lotados e em efetivo exercício nas Unidades Socioeducativas, pela prestação de serviços operacionais fora de suas escalas de trabalho.

>>> Clique aqui e receba notícias de Goiás na palma da sua mão

>>> Acesse este link e siga a notícia em tempo real no Instagram

O democrata justificou que a Secretaria de Estado da Administração (SEAD) se manifestrou desfavoravelmente ao auxílio. "Embora que, não haja elementos nos autos para a elaboração do impacto orçamentário e financeiro, é indiscutível que a ampliação do universo de beneficiários da indenização AC4 incrementará as despesas com pessoal", diz trecho do veto.

O governador destacou a Lei Complementar federal nº 2173, de 27 de maio de 2020, que veta até 31 de dezembro de 2021, a criação ou a majoração de benefícios de qualquer natureza, inclusive os de cunho indenizatório.

"A SEAD opinou pelo veto total ao autógrafo, também em razão da necessidade de o estado de Goiás se adequar ao disposto nos arts. 22 e 23 da Lei Complementar federal nº 2101, de 4 de maio de 2000”, ressaltou.

Segundo o governador, a câmara de gastos com pessoal também se pronunciou desfavoravelmente à sanção do autógrafo. “O colegiado, a quem incumbe o controle das despesas com pessoal no âmbito do Poder Executivo estadual, fundamentou a sua manifestação na vedação do inciso VI do art. 8º, da Lei Complementar federal n° 173, de 2020”, acrescentou.

Coloca, ainda, que a Procuradoria-Geral do Estado (PGE), também recomendou o veto total ao autógrafo. “Ela alegou vício de inconstitucionalidade formal subjetiva, com a violação aos arts. 61, § 19, inciso II, alíneas "c" e "f", da Constituição federal, também às alíneas "h" e "c" do inciso II do § 1° do art. 20, da Constituição do Estado de Goiás. A PGE afirmou que uma proposição parlamentar não pode interferir no campo de autonomia constitucionalmente assegurado ao Poder Executivo, com a criação de verba remuneratória (no sentido amplo) a servidor público civil”.

(Com assessoria)

Comente esta notícia


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Av. T-4, Ed. Buena Vista Office Design - 16° andar - 1613 Goiânia - GO

(62) 3988-7592

reportermt
g5
conexao