15 de Agosto de 2022
icon instagram icon facebook icon twitter icon youtube

GOIÂNIA

11 de Julho de 2022, 15h:37 - A | A

PODERES / COMISSÃO JUDICIALIZADA

Alego desrespeita regimento interno e desembargadora suspende CPI da Saúde

Justiça acatou mandado de segurança impetrado pelo deputado Humberto Teófilo, autor da comissão.

REDAÇÃO G5



A desembargadora Nelma Branco Ferreira Perillo, do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO), acatou mandado de segurança impetrado pelo deputado Humberto Teófilo (Patriota) contra o presidente da Assembleia Legislativa (Alego), Lissauer Vieira (PSD), e suspendeu os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde.

Na decisão, a magistrada afirma que o deputado Wilde Cambão (PSD) e Teófilo estão como titulares em duas CPIs, Saúde e do Leite, o que é vedado pelo regimento interno da Casa.

>>> Clique aqui e receba notícias de Goiás na palma da sua mão

>>> Acesse este link e siga a notícia em tempo real no Instagram

“O deputado só poderá integrar duas comissões parlamentares de inquérito, uma como titular e outra como suplente”, pontuou o regimento.

Leia mais

Desembargadora cassa própria liminar e CPI da Saúde pode ser arquivada na Alego

Teófilo afirma que como propôs a CPI da Saúde, tem cadeira cativa na comissão, sendo assim, deveria ter sido excluído automaticamente da CPI do Leite, o que não ocorreu.

O patriota também destaca manobras da base governista para manter o deputado Talles Barreto (União Brasil) no comando da CPI, garantido a maioria nas votações pró-Caiado.

Para manter a ordem, a desembargadora determinou que as reuniões da CPI da Saúde sejam suspensas até que o colegiado do tribunal bata o martelo. Todo o trabalho realizado pela comissão deve se reiniciar, inclusive a composição da CPI.

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito, Talles Barreto, declarou que Cambão já pediu desligamento da CPI do Leite, foram substituídos por líderes de suas bancadas e o fato será comunicado ao TJ.

CPI da Saúde

A Comissão Parlamentar de Inquérito, “CPI da Saúde”, foi instaurada no início de junho para investigar supostas irregularidades na Saúde de Goiás nos últimos seis meses.

A oposição quer saber a quantidade de pacientes no período, a quantidade de mortes ocorridas nas dependências da unidade, porém, especificando a quantidade de pacientes que faleceram à espera de atendimento e/ou transferência, quantidade de profissionais que prestam serviço na unidade de acordo com a função desempenhada e escalas de serviço.

Foram solicitados ainda documentação para verificação do “controle político-administrativo, além do controle financeiro orçamentário” em relação a essas unidades.

Comente esta notícia


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Av. T-4, Ed. Buena Vista Office Design - 16° andar - 1613 Goiânia - GO

(62) 3988-7592

reportermt
g5
conexao