15 de Agosto de 2022
icon instagram icon facebook icon twitter icon youtube

GOIÂNIA

13 de Junho de 2022, 15h:46 - A | A

GERAL / CLÍNICA CLANDESTINA

Travesti aplica 2 litros de silicone nas nádegas e morre em hospital de Goiás

Polícia de Anápolis investiga onde Lorraine Alves passou pelo procedimento estético, já que amigas divergem sobre o caso, umas afirmam que foi em São Paulo e outras em Goiás

MÁRIO ANDREAZZA
REDAÇÃO G5



Polícia Civil de Anápolis (55 km da Capital) investiga a morte da travesti Lorraine Alves, 22 anos, vítima de infecção após aplicação de silicone industrial nas nádegas em clínica clandestina. Os investigadores apuram onde o procedimento cirúrgico aconteceu, se em São Paulo ou em Goiás, na região da própria região de Anápolis, para, em seguida, identificar a clínica, quem foi responsável pelo procedimento e as circunstâncias que levaram ao óbito da paciente.

As duas versões foram contadas à família de Lorraine por amigas dela, que divergem sobre onde o procedimento estético aconteceu.

>>> Clique aqui e receba notícias de Goiás na palma da sua mão

>>> Acesse este link e siga a notícia em tempo real no Instagram

A travesti chegou de Belém, no estado do Pará, em Anápolis há cerca de cinco meses, onde segundo à família, teria vindo a Goiás em busca de trabalho. Há duas semanas teria tido “problema” com o silicone aplicado nas nádegas, cerca de 2 litros, ficou internada no Hospital Estadual do município (HEANA), mas não resistiu e teve a morte constatada.

Leia mais

Travesti dopa vítimas com "pó branco" nas ruas de Goiânia e "faz limpa" nas contas bancárias

Namorado estrangulou e esquartejou travesti por sentir vergonha do relacionamento

Ainda durante o período de internação Lorraine mandou áudios para a família.

“Eu tô bem. Só vou poder falar com vocês quando estiver melhor, ainda não estou boa”, disse.

Irmão e primo da travesti chegaram a Anápolis para pressionar a polícia e acompanhar as investigações que apura a morte.

“Quando eu e meu primo chegamos à delegacia para registrar queixa a moça que atendeu disse que já existia uma ocorrência sobre o caso e só poderia ter uma. Ela quase não deixou a gente falar, imprimiu a ocorrência, nos entregou e pronto. Mas queremos Justiça”, disse a irmã.
Caso segue em investigação.

Comente esta notícia


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Av. T-4, Ed. Buena Vista Office Design - 16° andar - 1613 Goiânia - GO

(62) 3988-7592

reportermt
g5
conexao