27 de Junho de 2022
icon facebook

GOIÂNIA

05 de Outubro de 2021, 11h:20 - A | A

GERAL / GOIANOS "NO ESCURO"

Procon vai apurar quedas de energia e má prestação de serviços da Enel

O órgão fiscalizador deve apurar responsabilidades e punir a empresa por danos coletivos, o que pode resultar numa multa de até R$ 9 milhões

DA REDAÇÃO




O Procon de Goiás vai abrir um processo administrativo contra a Enel Distribuição, com o objetivo de melhorar o atendimento aos consumidores e a prestação do serviço de energia elétrica no Estado.

A ação do Procon foi motivada, dentre outras razões, devido à tantas queixas de demora para a retomada do fornecimento de energia, segundo matéria publicada pelo Jornal O Popular nesta terça-feira, 05.

>>> Clique aqui e receba notícias de Goiás na palma da sua mão

>>> Acesse este link e siga a notícia em tempo real no Instagram

Moradores de diversas regiões reclamaram de falta de energia durante todo o final de semana, o fornecimento de energia só foi restabelecido na segunda-feira de manhã.

Os problemas foram causados, principalmente, pela queda de árvores que atingiram a fiação elétrica após as fortes rajadas de vento em Goiânia na última sexta-feira, 1º.

Segundo a Prefeitura, foram registradas mais de 60 ocorrências, na central de atendimento, de árvores caídas em diversos setores, sendo a região leste a mais afetada, danificando a rede elétrica desses locais.

Devido aos danos coletivos causados pela má prestação do serviço, como períodos longos de interrupção no fornecimento, o Procon Goiás anunciou que abrirá um processo administrativo contra a Enel Distribuição.

Protesto

Após um grupo de empresários e consumidores protestarem na tarde desta segunda-feira, 04, na porta da sede da Enel Distribuição Goiás, pedindo melhoras nos serviços prestados pela empresa, o superintendente do Procon Goiás, Alex Vaz, anunciou que o órgão irá instaurar um processo administrativo para apurar responsabilidades e punir a empresa.

Segundo ele, os danos coletivos causados pela má prestação do serviço, como longos períodos de interrupção no fornecimento, pode gerar uma multa de até R$ 9 milhões. “Consumidor que se sentir prejudicado deve registrar a reclamação. Mas como isso já é um fato notório na mídia, a empresa será chamada a presentar defesa nos próximos dias”, disse o superintendente ao O Popular.

Comente esta notícia


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Av. T-4, Ed. Buena Vista Office Design - 16° andar - 1613 Goiânia - GO

(62) 3988-7592

reportermt
g5
conexao