19 de Agosto de 2022
icon instagram icon facebook icon twitter icon youtube

08 de Julho de 2022, 16h:45 - A | A

GERAL / REVIRAVOLTA

Justiça de Goiás autoriza novas investigações na Afipe dirigida pelo padre Robson

Na decisão, o Tribunal de Justiça acatou pedido da Procuradoria-Geral de Justiça para que provas colhidas em 2018 possam ser usadas em nova apuração por suspeita de irregularidades na na gestão da Associação Filhos do Pai Eterno.

REDAÇÃO G5



A Quarta Turma da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado autorizou, por unanimidade, pedido da Procuradoria-Geral de Justiça de Goiás para que o Ministério Público de Goiás utilize as provas colhidas no Procedimento Investigatório Criminal 2/2018 para investigar, no âmbito civil, o padre Robson de Oliveira Pereira por eventuais desvios na gestão da Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe).

O padre alegou que decisões anteriores do TJGO teriam impedido o MPGO de investigar “em qualquer âmbito” a gestão da associação. Argumentou, ainda, que as provas colhidas nos inquéritos criminais 2 e 3/2018 seriam ilegais diante do trancamento das investigações criminais por suposta atipicidade dos fatos.

>>> Clique aqui e receba notícias de Goiás na palma da sua mão

>>> Acesse este link e siga a notícia em tempo real no Instagram

A tese foi afastada pelo MPGO, em parecer assinado pelo subprocurador-geral de Justiça para Assuntos Jurídicos, Marcelo André de Azevedo: “O tribunal goiano expressamente reconheceu a licitude da prova produzida.”

Leia mais

Padre acusado de desviar R$ 100 milhões de fiéis e comprar sentenças em Goiás é inocentado

Padre Robson se diz vítima de ato “demoníaco”, mas perdoa “perseguidores”

arcelo André de Azevedo transcreve, no parecer, trechos de decisão do TJGO reconhecendo a validade das provas. Cita também jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça reconhecendo a legalidade do compartilhamento de provas.

“Diante do reconhecimento explícito, pelo Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, da licitude das provas produzidas, válido foi o seu compartilhamento para a instrução de investigação cível, na tutela de interesses difusos e coletivos”, consigna Marcelo André de Azevedo.

Esteve presente na sessão de julgamento o procurador de Justiça Sergio Abinagem Serrano. 

Leia também

Padre acusado de desviar R$ 100 milhões de fiéis e comprar sentenças em Goiás é inocentado

Padre goiano diz que é chefe de quadrilha e desviou R$100 milhões

PF pede prisão de padre goiano acusado de desviar R$ 100 milhões de fiéis

Comente esta notícia


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Av. T-4, Ed. Buena Vista Office Design - 16° andar - 1613 Goiânia - GO

(62) 3988-7592

reportermt
g5
conexao