28 de Junho de 2022
icon facebook

GOIÂNIA

13 de Agosto de 2021, 11h:36 - A | A

GERAL / TRABALHADOR ELETROCUTADO

Enel sobrecarrega funcionários e cobra excessivamente, diz diretor de sindicato

Edivânio Aparecida Pereira, de 48 anos, morreu em subestação da Enel; bairros ficaram sem energia

YAGO SALES
DA REDAÇÃO




Quando Edivânio Aparecida Pereira, 48 anos, sofreu uma descarga elétrica na Subestação Atlântico, por volta de 10h da manhã da última quinta-feira (12), houve um silêncio. Para tentar salvar a vida do homem, que era funcionário da Enel Distribuição Goiás, a estação foi desligada.

Diversos bairros de Goiânia e Aparecida ficaram sem energia. Nenhum esforço, no entanto, foi suficiente para conter a violência elétrica que provocou sérios ferimentos em Edivânio, que morreu no ambiente em que trabalhava há mais de 20 anos.

>>> Clique aqui e receba notícias de Goiás na palma da sua mão

>>> Acesse este link e siga a notícia em tempo real no Instagram

Na manhã desta sexta-feira (13), o silêncio às vezes era interrompido pelo choro de algum dos familiares de Edivânio na sala de velório da Funerária São Paulo, no Bueno, em Goiânia. A mesma sala que ficou ainda mais triste quando ficou sem energia enquanto uma outra pessoa era velada no momento em que Edivânio recebia a carga elétrica.

"Sobrecarregados"

Entre cochichos e abraços, o diretor do Sindicato dos Trabalhadores nas Industrias Urbanas no Estado de Goiás (STIUEG), Donizete Candido, reconhecia um ou outro colega de trabalho. Ao G5 News, o sindicalista disse que em três anos pelo menos oito prestadores de serviço da Enel morreram durante o trabalho. “Olha, a situação não é fácil. A Enel sobrecarrega os funcionários. Não contrata ninguém e incentiva o profissional a fazer hora extra”, disse ele. “E ainda tem uma cobrança excessiva”, acrescenta ele, que acompanhou a chegada da coroa de flores do sindicato.

A reportagem tentou conversar com os familiares. Ainda sem entender a tragédia, pediram para o repórter se retirar.

Do lado de fora, uma mulher deu uma dica ao repórter: “Olha as mãos dele. Dão dó. Imagina trabalhar a vida inteira com as mãos e morrer justamente com as mãos queimadas”.

Comente esta notícia


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Av. T-4, Ed. Buena Vista Office Design - 16° andar - 1613 Goiânia - GO

(62) 3988-7592

reportermt
g5
conexao