19 de Agosto de 2022
icon instagram icon facebook icon twitter icon youtube

20 de Junho de 2022, 08h:08 - A | A

GERAL / POUCA VERGONHA

Eduardo Costa transava 15 vezes por semana; Como saber se é vício em sexo?

O cantor sertanejo Eduardo Costa já admitiu ser viciado em sexo e precisou fazer tratamento.

UOL
VIVA BEM / SÃO PAULO



O cantor sertanejo Eduardo Costa já admitiu ser viciado em sexo e precisou fazer tratamento para conter seus ímpetos sexuais. "Tenho problema com isso [sexo], rapaz, eu faço umas 15 vezes por semana, eu tô falando sério", disse, durante participação no canal do YouTube "Conceito Sertanejo", no ano passado. "Ainda tô fazendo tratamento para dar uma segurada."

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), esse vício é conhecido como transtorno do comportamento sexual compulsivo. Mas ele pode ser facilmente confundido com uma alta libido, segundo o professor de psiquiatria Danilo Baltieri, que se especializou em transtornos sexuais durante seu doutorado na USP (Universidade de São Paulo).

>>> Clique aqui e receba notícias de Goiás na palma da sua mão

>>> Acesse este link e siga a notícia em tempo real no Instagram

Ele explica que o diagnóstico de vício em sexo não depende da quantidade de vezes em que um indivíduo se masturba ou transa por dia, mas da perda do controle sobre o desejo. "O vício é quando o indivíduo não consegue adiar a vontade. É um comportamento intenso e persistente que causa prejuízo, porque a pessoa deixa de fazer outras atividades, inclusive profissionais, em função do sexo", diz.

Segundo Baltieri, esse vício está relacionado à dopamina, um dos principais hormônios ligados ao prazer, que é liberado após a prática de sexo e o consumo de drogas como álcool, cocaína, heroína e nicotina. "Há um denominador neurobiológico comum ao vício em sexo e outras drogas. É por isso que muitos dependentes sentem a necessidade de aumentar progressivamente a prática sexual. Já atendi pacientes que transavam 17 vezes ao dia, por exemplo", diz ele, que criou um dos poucos ambulatórios brasileiros preparados para tratar quem sofre de transtornos sexuais.

Mas o professor explica que, diferente do vício em drogas, a compulsão sexual frequentemente passa despercebida pelo círculo social do paciente, que precisa procurar ajuda por conta própria. "O grande problema é a baixa adesão ao tratamento. Cerca de 80% desiste", diz. "É claro que depois vem a tristeza e o remorso, mas a sensação de prazer provocada pelo sexo é muito mais poderosa para a memória do que a lembrança negativa. É igual droga. Precisa ter muita vontade para se tratar."

Leia mais em UOL

Comente esta notícia


GRUPO ANDRÉ MICHELLS

Av. T-4, Ed. Buena Vista Office Design - 16° andar - 1613 Goiânia - GO

(62) 3988-7592

reportermt
g5
conexao